domingo, agosto 02, 2009

O avô do PodCast

Está prestes a completar meio século, o programa de notícias policiais mais famoso do rádio carioca: A Patrulha da Cidade, que vai ao ar de segunda a sábado, do meio dia às 13h, na Rádio Tupi.
O programa, que foi ao ar em 02 de janeiro de 1960, criado pelo jornalista Afonso Soares, acabou provocando uma revolução no jeito de se passar a notícia radiofônicamente.
A grande novidade surgiu através de um fato ocasional e bem carioca. Uma noite, Samuel estava batendo papo e tomando umas geladas com o amigo e também jornalista, Nelson Batinga, em um boteco no subúrbio do Méier, quando de repente, rolou uma briga. Dois caras se pegaram no tapa. E assistindo o fato de longe, Batinga teve a idéia de reproduzir o fato em forma de rádio-teatro, transcrevendo até mesmo as gírias e expressões corriqueiras usadas nas ruas. "Assim como tem num jornal a fotografia que fala mais do que palavras, e é a imagem contundente do ocorrido, a Patrulha vai levar das ruas ao microfone e nele com os nossos astros a você em sua casa as ocorrências policiais em pinceladas duras e vivas. ", justificou Batinga a sua idéia.
A partir dali, mudava a forma de se fazer rádio jornalismo. A partir de então, puta passou a falar como puta; bêbado, como bêbado; bandido, como bandido; gay, como gay; traveco, como traveco; policial, como policial e assim por diante. Quando eu escrevia o meu romance A Arte de Odiar, recorri algumas vezes a este impagável programa. Depois de ter trabalhado como policial, eu sabia muito bem como a malandragem falava, mas precisava me atualizar.
E a partir dali, A Patrulha da Cidade nunca mais deixou de ser líder de audiência em seu horário. Mesmo sendo acusada, durante a ditadura militar, como incentivadora do esquadrão da morte. Mesmo sendo acusada de fazer piada com a desgraça alheia. Mesmo sendo acusada de preconceito religioso, sexual e econômico. Curisosamente, as camadas mais baixas da população fazem parte da grande maioria de ouvintes da Patrulha. Como se o povo gostasse de rir da própria desgraça.
O aumento da criminalidade fez com que até mesmo os seus críticos fossem se rendendo ao talento e a originalidade do grupo, que através de esquetes curtíssimas, tentavam amenizar a tragédia cotidiana de uma cidade que via a vida humana valer cada vez menos.
A Patrulha da Cidade bem que poderia ser uma versão pré-histórica dos podcasts de hoje.

No decorrer dos anos, os apresentadores e o elenco de atores foi mudando e hoje é composto pela galera lá de cima. Da esquerda para a direita: o jornalista e comunicador Coelho Lima, os atores Marcos Veras, Maurício Manfrini e Simone Molina; o também comunicador Garcia Duarte e a atriz Cordélia Santos.
Para saber mais da história deste programa, ouvi-lo e ver com como são feitas as gravações, é só mergulhar aqui.

Agora, se quiser ouvir um trecho curtíssimo de um dos casos mostrados no programa, é só clicar no player na barra ao lado. É a história de um cara apaixonado por uma gartota, no subúrbio carioca. Só que a garota também gostava de garotas. E deu aquela M. A gravação foi feita ainda na época em que A Patrulha era comandada pelos saudosos Samuel Correa e Juarez Retirana. Imperdível!

Marcadores:

6 Comments:

Anonymous DO said...

Fiquei muito curioso,JULIO. To indo clicar pra conferir.

Uma super semana a vc

segunda-feira, agosto 03, 2009 8:51:00 AM  
Anonymous DO said...

Fiquei muito curioso,JULIO. To indo clicar pra conferir.

Uma super semana a vc

segunda-feira, agosto 03, 2009 8:51:00 AM  
Blogger Taís Morais said...

Não é muito meu estilo....rsrsr, mas...
Adoro teu blog!

te beijo

Taís Morais

segunda-feira, agosto 03, 2009 11:20:00 PM  
Anonymous DO said...

JULIO,estou convidando os amigos blogueiros para me ajudar na participação e divulgação de uma postagem coletiva no próximo dia 10 de agosto.

Os detalhes estão lá no meu blog.

Posso contar contigo??

Abraços!

terça-feira, agosto 04, 2009 12:37:00 PM  
Blogger Ozéas said...

Ouvia a Patrulha quando menino... boa lembrança.
Tomei a liberdade de linkar vc lá em casa, parabéns pelo Blog.

terça-feira, agosto 04, 2009 10:22:00 PM  
Blogger Marco said...

Rapaz!
Agora você pegou pesado!
Patrulha da Cidade é uma de minhas antigas ternuras. Eu estudei com o filho do Samuel Correa. Ele morava em Caxias mas adorava espinafrar a cidade. Dizia que Caxias era "terra em que galinha cisca pra frente, vaca sobe em coqueiro de tamanco e urubu voa de costas". Quando ele anunciava o Nelson Batinga dizia assim: "Nelson.. Bá-bááá...Tinga!"
Nos anos 60 a gente não pedia um programa sequer. Depois da Patrulha da cidade vinha o "Incrível! Fantástico! Extraordinário!", do Almirante.
Que boas lembranças você me trouxe...
Valeu mesmo!
Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

quinta-feira, agosto 06, 2009 10:36:00 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home